São Paulo (a rua)

Sou filho de nordestinos. Ao contrário de muitos amigos meus, não tenho um lugar para voltar, uma cidade pacata, com uma casa perto de um rio e lembranças de tempos antigos, em que tudo era mais lento e gentil.

Sou cria de um lugar que sempre me causou estranheza. A velocidade das coisas se contrapõe ao cálculo que eu e outros paulistanos fazemos para chegar a algum lugar. A distância, que nas normas se mede em unidades métricas, é delimitada pelo tempo.

São Paulo é algo que ainda me choca, com grandeza, seu arraigamento às práticas mais conservadoras e o ímpeto de se tornar algo sem igual e ao mesmo tempo contraditório.
Não quero me acostumar. Não sei dizer se amo ou odeio essa cidade. Não tenho outra referência. Talvez ela seja a régua quando chego em outros lugares.

São Paulo, inclusive a rua, no centro, Glicério, lugar maldito e enjambrado no meio dos prédios novos e moribundos, é aquilo que Nicolau Sevcenko escreveu com maestria: “motoristas de carros, vindos do complexo do Minhocão, inseguros naquele ambiente que assumem ameaçador, a atravessam em grande velocidade, acelerando ansiosos rumo à Liberdade e ao Paraíso.”

Anúncios

Os 30 mitos mais comuns sobre o uso da bicicleta e como respondê-los — Transporte Ativo

Falácias sobre o uso da bicicleta – Cycling Fallacies.com Todas as cidades do mundo em algum momento tiveram de lidar com mitos relacionados ao uso da bicicleta. Em alguns lugares os pressupostos equivocados sobre a importância da mobilidade em duas rodas movidas a pedais são coisa do passado. Há no entanto um longo caminho para…

via Os 30 mitos mais comuns sobre o uso da bicicleta e como respondê-los — Transporte Ativo

Investimentos em expansão da rede metroviária caíram R$ 1,3 bilhão em São Paulo

Diário do Transporte

metrô A passos lentos. Dados mostram que nem Metrô de verdade e nem monotrilho tiveram avanços significativos em São Paulo – Folhapress

Governo do Estado atribui fato à situação econômica do país e a problemas em contratos com construtoras que abandonaram obras

ADAMO BAZANI

Os investimentos para a expansão da rede metroviária tiveram redução por parte do Governo do Estado de São Paulo de 31% entre 2014 e 2015. A queda dos recursos foi de R$ 1,3 bilhão, indo de R$ 4,17 bilhões em 2014 para R$ 2,87 bilhões em 2015.

É o que aponta levantamento feito pelo site Fiquem Sabendo, com base nos dados do próprio Metrô obtidos por meio da Lei de acesso à Informação.

De acordo com os dados, uma parcela significativa desta redução se deveu ao rompimento de contrato entre o Metrô e o Consórcio Isolux Corsán-Corviam para o prolongamento da linha 4 Amarela, que ocorreu em…

Ver o post original 569 mais palavras

Arquitetos internacionais elegem faixas de ônibus, ciclovias e Paulista aos domingos como “inspiradoras”

Toda proposta para tornar São Paulo uma cidade melhor é bem-vinda.

Diário do Transporte

faixas de ônibus Faixas de ônibus em São Paulo são elogiadas por arquitetos internacionais

Votação feita por membros do site ArchDaily diz que ações desafiam “sociedade conservadora”

ADAMO BAZANI

As ações de mobilidade na cidade de São Paulo têm provocado polêmica. Inicialmente foram com as faixas de ônibus que mexeram com parte da população que chegou a realizar até mesmo protestos. Hoje, de acordo com pesquisa da Rede Nossa São Paulo e outra do DataFolha, 90% dos paulistanos aprovam esse espaço para ônibus.

Depois foram as ciclovias que também dividem opiniões. Uma das ações mais recentes é a abertura da Avenida Paulista para pedestres aos domingos sendo fechada para carros. Moradores da região não concordam com a medida e dizem que atrapalha o fluxo de quem precisa ir até avenida, inclusive para hospitais.

No entanto, alguns especialistas internacionais fazem menções positivas às medidas de mobilidade em São Paulo.

Uma eleição envolvendo engenheiros e…

Ver o post original 181 mais palavras

Carro elétrico sendo abastecido em um ponto de recarga na rua

Os veículos elétricos vieram para ficar

A primeira imagem que nos vem à cabeça quando falamos de carros elétricos é de um equipamento com tecnologia avançada e distante da persistente realidade dos veículos movidos a combustíveis fósseis. Nada mais incorreto, pois o uso de eletricidade para mover coisas por aí ocorre desde a metade do século 19. Se desviarmos o olhar do conceito de carro de passeio perceberemos que locomotivas, bondes, empilhadeiras e até mesmo submarinos nucleares utilizam energia elétrica como combustível.

Muitos cientistas e inventores se dedicaram a criar veículos movidos à eletricidade. Em 1827, o padre e inventor húngaro Ányos Jedlik criou um dínamo e o empregou para movimentar um veículo de pequeno porte. Em 1830, o ferreiro estadunidense Thomas Davenport adaptou com êxito baterias não recarregáveis à estrutura de um veículo simples construído por ele mesmo. Já em 1837, o inventor escocês Robert Davidson criou a primeira locomotiva elétrica da história, que era movida a baterias de zinco.

Retorno

Apesar da intensa pesquisa desenvolvida por empresas e cientistas amadores, os carros elétricos perderam espaço para a tecnologia de motor a explosão, elemento chave da crescente indústria automotiva entre a primeira metade do século 20. A queda do preço de combustíveis, como óleo diesel e gasolina, além da evolução dos sistemas de produção das linhas de montagem tiraram de cena os modelos elétricos, que à época não eram tão potentes nem desenvolviam grandes velocidades quanto os motores a explosão.

Os investimentos em pesquisa de carros elétricos foram retomados apenas em ambientes acadêmicos, como as iniciativas do Massachussetts Institute of Technology (MIT) e do Caltech, que na década de 1960 desenvolveram modelos experimentais com tecnologias de recuperação de energia e motores híbridos.

Na década de 1970, o aumento estratosférico dos preços do petróleo somado à instabilidade geopolítica do Oriente Médio causou a chama da “Crise do Petróleo”. Com a falta de combustível e as perspectivas cada vez mais preocupantes acerca da poluição causada pelos hidrocarbonetos, Estados Unidos, Japão e alguns países da Europa retomaram as pesquisas e desenvolvimento de veículos elétricos.

A montadora estadunidense General Motors em 1996 lançou o EV1, primeiro automóvel totalmente elétrico construído em sistema de linha de montagem. Em 1996 a japonesa Toyota lançou o Prius, modelo de tecnologia híbrida que utiliza tanto o motor à combustão quanto baterias recarregáveis para se locomover. Em 2006, a estadunidense Tesla Motors lançou o Tesla Roadster, primeiro veículo elétrico de alto desempenho.

Carro elétrico sendo abastecido em uma estação de carga
O avanço tecnológico permitirá que os carros sejam abastecidos em casa

Como funcionam os carros elétricos?

Há basicamente três meios de propulsão: a explosão, híbrida e elétrica. No primeiro caso, o motor é acionado por um combustível líquido (álcool, gasolina, diesel etc.) e transmite a potência por meio de sistemas mecânicos. É o modelo convencional. O problema é que, além de extremamente poluente, essa tecnologia perde muito energia no processo. Um automóvel desperdiça geralmente 62% de potencial energético, divididos em 33% na exaustão e 29% em troca de calor. Os 38% restantes de energia mecânica sofrem ainda perdas por fricção interna do motor, aerodinâmica e frenagem, o que resulta em um aproveitamento de apenas 21% do total.

Os carros híbridos possuem dois motores (um a explosão e outro elétrico que podem trabalhar em conjunto ou separadamente) e baterias recarregáveis. O sistema é controlado por um computador que seleciona o tipo de energia, aciona a motorização conforme a necessidade e comanda a recarga das baterias. Esses automóveis possuem ainda um sistema que recupera a energia cinética dos freios e alimenta as baterias.

Os carros elétricos por sua vez são movidos totalmente por baterias que são carregadas em pontos específicos. Os tipos mais comuns são de chumbo-ácido, níquel metal hidreto (NiMH) e íon-lítio (Li-ion). A primeira, mais conhecida e antiga, é a tecnologia empregada desde o século 19 para gerar energia nos sistemas elétricos dos carros convencionais. Foi utilizada na primeira geração de carros elétricos. Apesar de ser mais barata, de fácil fabricação e manutenção, é uma tecnologia superada em razão da pouca eficiência energética e da alta toxicidade do chumbo. As de níquel são utilizadas desde a década de 1980 e representam uma evolução por terem alto poder energético e serem construídas sem metais tóxicos, o que possibilita a reciclagem. A tecnologia de lítio-íon é a mais eficiente até o momento por reduzir de forma drástica a perda de energia quando não está em uso.

Desafios

A comercialização dos carros elétricos enfrenta atualmente uma série de desafios técnicos e econômicos. O primeiro é o fornecimento da energia. Mesmo em países onde essa tecnologia é mais difundida, como Noruega, Holanda, Dinamarca e Estados Unidos, os pontos de abastecimento ainda não cobrem toda a malha viária e estudam-se quais seriam os impactos que a recarga desses carros poderia causar na malha de fornecimento de energia elétrica. Outro aspecto é de desenvolvimento tecnológico. As baterias elétricas atuais fornecem apenas 3% de energia se comparadas com o potencial da gasolina.

Mudar o paradigma de uma tecnologia não significa trocar uma pela outra sem uma análise do panorama futuro. Apesar de recentes, os investimentos pesados em tecnologias mais limpas para automóveis ganha cada vez espaço nos planos de investimento inclusive de grandes empresas petrolíferas. Em uma época onde o aquecimento global já está alterando as dinâmicas sociais e econômicas em escala global, os carros elétricos mostram que vieram realmente para ficar.

Fotos:
Stefan Schweihofer / Pixabay: stux / CC0

Michael Movchin / Wikimedia Commons / CC BY 3.0

Licitação dos transportes de São Paulo: Prefeitura faz correções em valores de editais

Diário do Transporte

ônibus Ônibus em São Paulo. Prefeitura corrige valores de editais de licitação.

Remuneração por trólebus foi atualizada. A frota agora vai aumentar em 36 veículos. Prefeitura refez planilha de participação para CCO

ADAMO BAZANI

A prefeitura de São Paulo publicou no Diário Oficial da Cidade do último sábado alterações nos editais de licitação de transportes que deve criar um novo modelo de serviços de ônibus para os próximos 20 anos, com possibilidade de renovação do contrato por mais 20 anos.

As mudanças dizem respeito basicamente a remunerações pontuais aos operadores de transportes.

O modelo de serviços previsto nos três editais, que cria três grupos com 27 lotes na cidade, permanece, assim como a criação de redes de linhas, como a de final de semana, e a redução de itinerários e frotas.

Também sofreu alteração a participação de cada grupo, seja estrutural, local de articulação e local de distribuição, para o custeio…

Ver o post original 3.627 mais palavras